sexta-feira, 13 de maio de 2011

Apostila de português online de verbos irregulares para concurso

Muitos têm dificuldade para aprender sobre os verbos irregulares e com essa dica agora está mais fácil entender como funciona os verbos irregulares. Um conteúdo que poucas apostilas de português para concurso abordam profundamente.

Verbos irregulares fogem ao paradigma

Não são poucos os estudantes que nutrem verdadeira ojeriza por conjugação verbal. Explica-se: o que não falta na língua portuguesa são verbos que fogem ao paradigma - os chamados irregulares. No presente do indicativo, "perder" vira "perco", "caber" vira "caibo", "saber" vira "sei", "trazer" vira "trago" etc.

Há ainda os anômalos, isto é, os que apresentam diferentes radicais (eu sou, tu és; eu vou hoje, ele foi ontem), e os defectivos, ou seja, os que não possuem a conjugação completa. É o caso de "adequar", que, no presente do indicativo, possui, segundo a maioria dos gramáticos, apenas duas formas (adequamos e adequais), modelo seguido por "falir" e por "precaver", por exemplo.

Na linguagem coloquial, entretanto, chega a ser comum ouvirmos a construção: "Isso não se adéqua". Os falantes, geralmente em busca da comunicação rápida, ajustam todo e qualquer verbo ao paradigma disponível, procedimento semelhante ao das crianças que dizem "eu fazi", "eu sabo", "eu ponhei".

Embora os adultos se preocupem em corrigir o "erro", o mais interessante a observar nesse comportamento linguístico é que, ao falar assim, a criança revela ter introjetado o paradigma da conjugação verbal. Em outras palavras, ela "erra" porque já aprendeu o modelo dos verbos regulares.

Mas, se a assimilação dos verbos regulares é tarefa que as crianças tiram de letra sem perceber, o mesmo não se pode dizer do aprendizado dos irregulares e dos defectivos, que desafia até pessoas com alto grau de escolaridade - e se dá mais pela memorização de cada verbo que pela apreensão de uma regra.

Não é difícil surpreender um adulto "agindo como criança" quando a questão é conjugar o verbo "reaver". Quantas vezes não se ouvem as formas "eu reavi" ou "ele reaveu"? Se o verbo fosse regular, seriam corretas. Mas "reaver" é um derivado de "haver", verbo irregular, e, portanto, segue o seu modelo. Está claro que ninguém pensaria em dizer "eu havi" ou "haveu um fato".
Não é difícil surpreender um adulto "agindo como criança" quando a questão é conjugar o verbo "reaver". Quantas vezes não se ouvem as formas "eu reavi" ou "ele reaveu"? Se o verbo fosse regular, seriam corretas. Mas "reaver" é um derivado de "haver", verbo irregular, e, portanto, segue o seu modelo. Está claro que ninguém pensaria em dizer "eu havi" ou "haveu um fato". No pretérito perfeito, diz-se "eu reouve" (como "houve").

Vale a pena revisar o estudo de verbos irregulares e defectivos antes dos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário